Bebês

Mãe dá à luz com 30 semanas e desabafa: “Nosso plano era simplesmente sobreviver”

Emma nasceu prematura e precisou ficar na UTI neonatal

Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

No último sábado (17), foi comemorado o Dia Mundial da Prematuridade. Para fazer com que as pessoas entendessem um pouco mais sobre o assunto, Stephanie Trendowski, uma mãe de Crown Point, Indiana, contou a história dela no site Love What Matters. Vem dar uma olhada:

“Ninguém realmente planeja ter um bebê prematuro ou viver uma experiência na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI). Eu, por outro lado, tive intuição de mãe durante toda a minha gravidez de que minha filha nasceria cedo. Era apenas um pressentimento, até que os sintomas de pré-eclâmpsia em 30 semanas trouxeram planos para a chegada imediata do bebê.

Acordando horas depois de uma cesariana, confusa e exausta, a primeira coisa que pedi foi para ver minha filha Emma. Foi então que meu marido me levou para a UTI pela primeira vez. Eu me lembro do silêncio. A sala quente e escura onde nossa bebê lutava por cada respiração.

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

Emma nasceu de 30 semanas (Foto: Reprodução/Love What Matters)

Eu pude me sentar na frente de sua incubadora, colocar minha mão e ter a pequena mão da minha filha segurando meu dedo. Eu queria abraçá-la, amamentá-la, me relacionar com ela, mas não tínhamos essa chance. Nosso plano era simplesmente sobreviver. Eu era grata por ela e eu vivermos, mas eu precisava ser paciente.

A maioria das horas eu só tinha que sentar e esperar. Esperar que ela se tornasse forte o suficiente. Não havia nada que eu pudesse fazer além de estar lá para ela. Você sabia que os prematuros não gostam de ser acariciados e isso é uma sobrecarga sensorial para eles?

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

Foram muitos dias na incubadora com pouco contato físico (Foto: Reprodução/Love What Matters)

Usamos esse tempo para admirar seus dedinhos e dedos dos pés, seus cabelos loiros cintilantes, os minúsculos pelos em seu corpo que a mantinham quente no útero. Emma era tão pequena que meu marido poderia encaixar a aliança no pequeno pé dela.

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

A aliança do pai poderia passar pelos pés de Emma (Foto: Reprodução/Love What Matters)

5 longos dias depois que ela veio a este mundo, fomos capazes de segurá-la pela primeira vez. Foi-me perguntado se eu queria fazer o tempo canguru pele a pele, com o qual eu ansiosamente concordava. Quando ela deitou a cabeça no meu peito, senti um calor imediato e uma apreciação irresistível por aquele momento.

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

O primeiro contato corpo com corpo foi 5 dias após o nascimento (Foto: Reprodução/Love What Matters)

Enfermeiros sempre vinham para verificar a temperatura dela e mesmo com cobertores pesados e quentes para nos envolver, ela sempre era colocada de volta na incubadora para manter sua temperatura corporal em um alcance seguro. Mal sabia eu que segurá-la pela primeira vez poderia ser a minha última, pois fui diagnosticada com síndrome HELLP, complicação grave de pressão arterial elevada, no pós-parto e internada na UTI naquela noite.

Eu estava de coração partido, deprimida e me sentia a um milhão de quilômetros dela. No dia em que fui liberada, tudo o que eu queria fazer era abraçá-la. Nós lemos para ela, tocamos música, conversamos e tiramos tantas fotos quanto possível. Eu estava determinada a fazer o melhor dessa experiência mesmo que não estivéssemos no nosso lar. Esta foi sua primeira casa e a equipe médica nossa segunda família.

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

A equipe de médicos e enfermeiros se tornou a segunda família do casal (Foto: Reprodução/Love What Matters)

Cada marco foi um momento de celebração. A vida na UTI neonatal ajuda você a entender que cada momento é inestimável. É difícil, é cru e é real, mas é a vida. E nós vivemos.

4 semanas após o nascimento, saímos da UTI pela última vez como pacientes. Mal sabia eu que o retrato de Emma adornaria a parede do corredor em um projeto chamado The Hallway of Hope.

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

Emma estampa o corredor do hospital para inspirar outras famílias (Foto: Reprodução/Love What Matters)

Estou aqui para dizer às famílias que estão na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal que você é forte. Você é guerreiro. Você é a representação da esperança. Não pare de lutar”.

Leia também:

Prematuros que nasceram com 23 semanas de gestação completam 1 ano

Colo de mãe traz mais benefícios para prematuros do que incubadoras

10 coisas que você precisa saber sobre bebês prematuros