Bebês

Mãe dá à luz com 30 semanas e desabafa: “Nosso plano era simplesmente sobreviver”

Emma nasceu prematura e precisou ficar na UTI neonatal

Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

No último sábado (17), foi comemorado o Dia Mundial da Prematuridade. Para fazer com que as pessoas entendessem um pouco mais sobre o assunto, Stephanie Trendowski, uma mãe de Crown Point, Indiana, contou a história dela no site Love What Matters. Vem dar uma olhada:

“Ninguém realmente planeja ter um bebê prematuro ou viver uma experiência na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI). Eu, por outro lado, tive intuição de mãe durante toda a minha gravidez de que minha filha nasceria cedo. Era apenas um pressentimento, até que os sintomas de pré-eclâmpsia em 30 semanas trouxeram planos para a chegada imediata do bebê.

Acordando horas depois de uma cesariana, confusa e exausta, a primeira coisa que pedi foi para ver minha filha Emma. Foi então que meu marido me levou para a UTI pela primeira vez. Eu me lembro do silêncio. A sala quente e escura onde nossa bebê lutava por cada respiração.

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

Emma nasceu de 30 semanas (Foto: Reprodução/Love What Matters)

Eu pude me sentar na frente de sua incubadora, colocar minha mão e ter a pequena mão da minha filha segurando meu dedo. Eu queria abraçá-la, amamentá-la, me relacionar com ela, mas não tínhamos essa chance. Nosso plano era simplesmente sobreviver. Eu era grata por ela e eu vivermos, mas eu precisava ser paciente.

A maioria das horas eu só tinha que sentar e esperar. Esperar que ela se tornasse forte o suficiente. Não havia nada que eu pudesse fazer além de estar lá para ela. Você sabia que os prematuros não gostam de ser acariciados e isso é uma sobrecarga sensorial para eles?

(Foto: Reprodução/Love What Matters)

Foram muitos dias na incubadora com pouc