7 novos hábitos aprendidos com a quarentena que você deve levar para toda a vida com a sua família

Com a pandemia do coronavírus, tudo mudou. Mesmo com tantos efeitos negativos, é possível tirar lições desse período. Saiba quais mudanças levar para frente

Resumo da Notícia

  • O coronavírus mudou muita coisa e também trouxe aprendizados
  • Veja quais hábitos foram reforçados nesse período de quarentena e devem permanecer mesmo quando ela acabar
  • Não deixe de se cuidar!
É hora de reorganizar a vida e pensar nas prioridades (Foto: iStook)

O coronavírus mudou muita coisa nas nossas vidas. É impossível negar os estragos que já causou ao redor do mundo, forçando isolamento social e bagunçando a rotina, mas também vale ressaltar alguns aprendizados que irão além da duração da pandemia. Foi durante esse período cheio de emoções paradoxais que muitas famílias perceberam a importância de mudar os hábitos, apostando em boas horas de sono e dando mais valor para a companhia um do outro, por exemplo.  

-Publicidade-

“Podemos iniciar agora bons hábitos de vida e introduzi-los na nossa rotina. Isso ajudará muito, pois quando voltarmos à vida normal, estaremos mais dispostos a seguir com a vida saudável, o que pode trazer muitos ganhos e prevenir uma série de doenças”, explica a cirurgiã plástica Dra. Beatriz Lassance, membro do Colégio Brasileiro de Medicina do Estilo de Vida. Conversamos com médicos de diversas especialidades para entender quais pontos devemos mudar e os benefícios disso para a família:

Valorize a saúde mental

Demorou, mas finalmente esse momento está mostrando a importância de ter cuidados diários com a saúde mental para garantir o seu bem-estar. “Agora, mais do que nunca, dedique parte do seu dia para fazer o que gosta. Isso ajuda a controlar o estresse e ansiedade em passar tantas horas dentro de casa em isolamento social. Procure práticas de autoconhecimento, como a meditação, leitura, ou cozinhe novas receitas”, sugere a Dra. Ana Carolina Lúcio Pereira, ginecologista membro da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia). É importante estabelecer uma rotina, mesmo que completamente nova.

-Publicidade-
Isso não significa reprimir os sentimentos ruins, mas saber expressá-los da melhor forma (Foto: iStook)

Sem álcool no seu dia

Todo mundo já sabe que o consumo de álcool prejudica a imunidade. “Quem ingere álcool em excesso, sente muita sede, principalmente no dia seguinte. Isso acontece porque o organismo precisa de água para metabolizar o álcool. No entanto, se não houver água suficiente, o organismo busca nos tecidos periféricos a água para realizar o seu trabalho. E esse é o grande problema, pois a perda d’água afeta muitos órgãos, inclusive a pele, diminuindo o viço e colaborando para o ressecamento e a descamação”, pontua Dr. Paolo Rubez, cirurgião plástico membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e especialista em Cirurgia de Enxaqueca pela Case Western University.

Quanto mais atividade física, melhor

Obesidade e sedentarismo estão ligados a maior risco de desenvolver complicações em casos de infecção pelo novo coronavírus, o que tem feito as pessoas repensarem os hábitos. “A atividade física é importante para manter o sistema imunológico em dia, pois quando nos exercitamos, temos uma produção maior de linfócitos que são as células de defesa para combater o vírus”, diz o cirurgião plástico Dr. Mário Farinazzo, membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e médico voluntário no atendimento a casos suspeitos de Covid-19 no Hospital São Paulo. Os exercícios também melhoram a disposição e humor, e nas suas variações podem ser praticados por todas as idades

 

Alimentação saudável

A alimentação possui um papel fundamental na manutenção e fortalecimento do organismo, pois é responsável por fornecer nutrientes essenciais para as funções orgânicas, inclusive as imunológicas. “Uma alimentação equilibrada, variada, colorida, com alimentos mais naturais e funcionais possíveis, associada a uma hidratação adequada, certamente vai ajudar o organismo a ter respostas mais favoráveis do sistema imune. Para citar alguns alimentos que devem ser incluídos no hábito alimentar para a manutenção da saúde e a prevenção de doenças, podemos listar os vegetais folhosos escuros, os legumes em geral, todos os que nascem para cima da terra e das mais diversas cores, os tubérculos e raízes, as leguminosas, que são as principais fontes de proteínas vegetais, os cereais, particularmente os integrais, as frutas, as sementes oleaginosas, que têm gorduras boas, as carnes magras e os laticínios enriquecidos com probióticos, além de água, água de coco, chás e sucos funcionais”, afirma a médica nutróloga Dra. Marcella Garcez, professora da Associação Brasileira de Nutrologia.

Garrafa d’água é a sua melhor amiga

Beber água é fundamental em todas as idades (Foto: Shutterstock)

“Quanto menor a ingestão de água, maior a viscosidade do sangue. Além disso, a desidratação favorece a queda da pressão arterial, ameaçando vários órgãos. O consumo adequado de água garante que o organismo seja irrigado e bem nutrido de sangue”, afirma a angiologista Dra. Aline Lamaita, angiologista e membro do American College of Lifestyle Medicine. Você deve beber pelo menos 2 litros por dia de água ou fazer consumo de água de coco, frutas ricas em água (pera, melancia) que também ajudam na hidratação corporal.

Apague o cigarro (para sempre)

Não é uma tarefa simples, mas precisa ser feita. “A nicotina e as toxinas do cigarro provocam a diminuição do fluxo nos vasos sanguíneos. Uma vez que a circulação está prejudicada, a quantidade de oxigênio e nutrientes que chegam aos órgãos é menor. Por conta de todas as doenças associadas, o tabagismo é, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a principal causa de morte evitável no mundo”, alerta o Dr. Paolo. A prática de atividades físicas e cuidado com a saúde mental podem deixar esse período mais leve.

Não basta dormir, é preciso dormir bem

Segundo diversas pesquisas, um dos principais mitos é acreditar que as pessoas podem ‘sobreviver’ com menos de sete horas de sono. “O ideal é entre sete a oito horas e de forma consistente. Fugir desses valores é colocar a saúde em risco. Temos evidências extensas de que dormir cinco horas ou menos aumenta consistentemente o risco de condições adversas à saúde, como doenças cardiovasculares e até longevidade”, acrescenta a Dra. Aline Lamaita. A qualidade desse sono é fundamental para o descanso efetivo. Para isso, fique longe de aparelhos como celulares, computadores e TV antes de deitar e faça refeições mais leves à noite.

O sono é fundamental para recarregar as energias (iStock)
Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI!

-Publicidade-