Doenças de pele no verão: saiba como proteger toda a família e ficar livre de perrengues

Com a chegada do clima quente, é necessário ter um cuidado redobrado com o corpo, principalmente quando nos referimos a exposição ao sol e da água

Resumo da Notícia

  • Saiba como ajudar a sua família a se proteger no verão
  • Veja quais cuidados tomar com a exposição ao sol e à água
  • Com a chegada do verão, é superimportante ter um cuidado redobrado

O verão 2021 chegou e com ele, é superimportante que os cuidados venham junto. A gente sabe que é uma delícia se divertir com a família na piscina no final de semana, mas você sabia que a mistura do sol com o cloro pode causar queimaduras na pele? Além disso, no caso do mar e do suor, pode acontecer o que chamamos de bicho geográfico, uma espécie de fungo e parasita.

-Publicidade-
Saiba como ficar livre dos perrengues de verão (iStock)

Segundo o dermatologista e professor do curso de Medicina da Universidade Santo Amaro, Dr. Artur Duarte, as doenças de verão podem ser consideradas “democráticas”, mas é possível tratá-las e proteger a família. “Lesões de pele relacionadas ao calor, umidade e exposição solar atingem qualquer pessoa, mas obesos, diabéticos e imunossuprimidos tendem a ser mais afetados por essas infecções”, explica. “Obesos possuem mais dobras na pele, que são as regiões que acabam ficando mais umedecidas por períodos maiores do dia em razão das altas temperaturas. Já os diabéticos e imunossuprimidos possuem alterações específicas na pele, que acabam favorecendo o a contaminação por fungos e bactérias”, completa.

Cuidando da pele

Nos dias de muito calor, o dermatologista aconselha que o cuidado com a higiene e a hidratação sejam redobrados. Além disso, após o banho, ele destaca a importância de manter as dobras entre os dedos bem secas para evitar o aparecimento de lesões como, por exemplo, micoses.

-Publicidade-

“A hidratação é essencial para manter a pele saudável e com suas proteções naturais íntegras”, comenta. Para a proteção dos pés, no caso das pessoas que frequentam praias, o especialista recomenda lugares onde não haja circulação de animais de estimação ou o uso de chinelos de dedo ou sandálias, lembrando sempre de lavar a pele com uma maior frequência, pois desta maneira, pode-se evitar o aparecimento do “bicho geográfico”.

Xô, queimaduras

Um dos problemas mais temidos pelos pais são as queimaduras causadas pelas exposição ao sol, principalmente em horários de pico de emissões de raio UV. Para driblar o problema, Artur aconselha ficar de olho nestes períodos: “É necessário observar o horário e evitar ficar exposto entre 10h e 16h, mas como no verão esse acaba sendo o horário escolhido para o lazer , é importante lembrar de usar protetor solar com, no mínimo, fator 30, reaplicando-o a cada duas horas e lembrando que a primeira aplicação deve ter um intervalo de pelo menos 30 minutos até o primeiro mergulho, de forma a assegurar que o produto foi absorvido pela pele”.

A mistura do cloro da piscinas com a exposição ao sol pode causar queimaduras (Foto: Shutterstock)

No caso das peles delicadas, vale lembrar que antes de fazer viagens e realizar longas exposições ao sol, é superimportante consultar um dermatologista para que seja indicado fatores de proteção maiores do que 30. “Se a pele for muito clara e delicada, é essencial consultar um especialista”, reforça.

Cuidado com as manchas!

Sabe aquelas manchas de sol que geralmente ficam nas mãos e no buço após sucos, caipirinhas ou até mesmo o manuseio de frutas sem um cuidado específico? O dermatologista explica que apesar delas desaparecerem de maneira espontânea em muitos casos, podem ser irreversíveis, então, é preciso ficar em alerta.

“Há situações, inclusive, em que as lesões tornam-se queimaduras graves, com bolhas. Em geral, o figo e frutas cítricas como limão, mexerica e laranja podem gerar esse tipo de lesão. Além de tudo isto, vamos lembrar que a exposição solar pode ser determinante para o surgimento de câncer de pele no futuro. Sendo assim, é essencial usar fotoprotetor sempre para evitar a queimadura por exposição solar”, conclui Artur Duarte.

-Publicidade-