Colunistas

Mães, a transformação digital também é para nós

E as tecnologias digitais podem dar uma super ajuda nessa missão de ser mãe-profissional-mulher

(Foto: iStock)

Eu tenho um lema: mães mudam o mundo. E nos últimos dias essa certeza só cresceu em mim.

Quase uma semana depois de terminada a minha participação no maior evento de tecnologias da Europa e o maior de web do mundo, ainda sinto a vibe deliciosa que é estar num espaço com gente do mundo todo, de todos os tipos, culturas e áreas de interesse. Todos juntos ali, pensando e fazendo o futuro.

Aliás, pensar e fazer o futuro tem tudo a ver com a realidade de mães e pais com filhos pequenos, certo?

Mas essa conversa aqui hoje é de mãe-profissional para mãe-profissional. Sem querer excluir os pais dessa conversa. Mas, vamos combinar, são as mães ainda que na sua grande maioria abrem mão da carreira profissional para se dedicar à carreira da família, mesmo que não seja em tempo integral.

E a mãe não deixa de ser profissional só porque se tornou mãe. A gente faz um baita malabarismo pra equilibrar os papéis, dentro e fora de nós. Fazemos escolhas que em alguns momentos são escolhas duras, não compreendidas por família, amigos, colegas de trabalho. Ali mesmo durante o evento, encontrei algumas mães que levaram os seus bebês mesmo sabendo que o frenesi e a correria aconteceriam à décima potência sem muita estrutura para receber um bebê. Não estar lá não era uma alternativa para elas.

Simplesmente não dá para nos afastarmos da vida profissional totalmente. Seja por necessidade emocional, financeira ou por realização pessoal, a vida profissional é muito importante para muitas de nós.

E as tecnologias digitais podem dar uma super ajuda nesse esforço de conciliar as várias áreas da vida que são importantes para nós.

Foto: Getty Images

Quando falamos sobre tecnologias, sempre pensamos mais nas nossas crias do que em nós. Fica parecendo que o “futuro” é mais deles do que nosso. Mas não é bem assim. Todo esse universo já é nosso, mesmo que muitas de nós ainda nem saiba como usufruir dele.

Durante a minha passagem por Lisboa essa necessidade de criar caminhos para que mães-profissionais-mulheres possam aproveitar esse movimento, que olha o futuro e o prepara com carinho e respeito desde já, ficou mais pulsátil em mim.

Essa conversa é nossa, das mães-profissionais-mulheres. Pode significar também uma nova carreira depois da maternidade ou uma super ferramenta para mães que seguirão suas carreiras antigas mas querem fazer de um jeito diferente, um jeito melhor.

Carreiras que nos levem a pensar o futuro mas que sejam reais no presente. Carreiras longe dos idealismos, mas cada vez mais conectadas com a realidade de hoje e de amanhã.

Sim, a transformação digital é para nós. A minha carreira na área digital surgiu assim. A união de expertise anterior com o profundo desejo de oferecer um mundo mais justo e ético para as novas gerações.

Na edição do Web Summit desse ano éramos mais de 43% mulheres (uuhhhuullll). No mundo das tecnologias, esse percentual é uma graaaaande vitória. E esse número pode ficar ainda melhor se mais mulheres-mães perceberem quantas oportunidades o universo da web pode oferecer para quem não quer abrir mão de tempo de qualidade e dedicação à família mas também não quer abrir mão do prazer da carreira profissional.

Uma das falas que mais me chamou a atenção foi sobre trabalhar em novos formatos de emprego e dedicar menos tempo ao trabalho, se aproveitando das tecnologias como apoio à profissão. São centenas de ferramentas que nos ajudam a fazer entregas superiores a aquelas que demandam presença física nos escritório. Quase 50% das empresas contam com força de trabalho em regime de home office. E cada vez mais o trabalho antes realizado em 40 horas semanais pode ser realizado em até metade do tempo.

Um mundo transformado, cheio de oportunidades e para nós. Aproveite!!!!

Leia também:

Criança no mundo digital: entenda a importância do respeito e limites para uma boa convivência

Repertório digital: saiba como escolher e quais os melhores critérios para essa seleção

Games: que tal “jogar junto” com seu filho?