Pais&Filhos no Insta

OMS divulga 10 prioridades de saúde para fazer um mundo melhor para o seu filho

Metas para um futuro mais saudável!

Rhaisa Trombini

Rhaisa Trombini ,Edileyne e Geraldo

(Foto: iStock)

Novo ano, novas metas.Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou quais são as dez prioridades da saúde para 2019, englobando desde doenças crônicas e gripe até vacinas. Além disso, a agência da ONU quer aumentar a cobertura de saúde em todo o mundo, alcançando mais 1 bilhão de pessoas em relação ao número atual!

Além disso, a OMS quer aumentar o bem-estar de pelo menos 1 bilhão de pessoas em todo mundo aplicando as metas desse ano! Será muito melhor criar seu filho em um mundo com mais igualdade, menos poluição e mais preocupação com doenças.

Poluição do ar é o maior risco ambiental no mundo (Foto: Getty Images)

1. Poluição do ar e mudanças climáticas: esse ano, o ar é considerado o maior risco ambiental no mundo. Segundo a OMS, 9 em cada 10 pessoas respira ar poluído. Segundo dados divulgados pela organização no ano passado (2018), aproximadamente 633 crianças menores de 5 anos morrem todo ano no Brasil por conta da poluição. No mundo, esse número chega a 543 mil.

2. Doenças crônicas não transmissíveis: São doenças como diabetes, câncer e doenças cardiovasculares. Segundo dados da OMS, elas são responsáveis por mais de 70% de todas as mortes no mundo. O aumento do uso do tabaco, a inatividade física, o uso nocivo do álcool, as dietas pouco saudáveis e a poluição do ar são os principais causadores dessas doenças.

3. Pandemia de gripe: Outra pandemia de influenza vai acontecer, por isso a OMS está monitorando a circulação do vírus, além de detectando as possíveis cepas.

Seu filho precisa ser vacinado! (Foto: Getty Images)

4. Relutância em vacinar: Muitas pessoas começaram a duvidar da eficácia da vacina, dizendo que é perigosa. Assim, muitas doenças erradicadas há anos podem voltar a se manifestar nas pessoas, podendo trazer sérias consequências.

5. Cenário de fragilidade e vulnerabilidade: Cenário de fragilidade são locais onde existem crises prolongadas, combinando seca, fome, conflito e deslocamento populacional. Mais de 1,6 bilhão de pessoas vivem nesses locais, com serviços de saúde frágeis e sem cuidados básicos.

6. Resistência antimicrobiana: A eficácia de tratamentos como antibióticos, antivirais e antimaláricos está acabando. Bactérias, parasitas, vírus e fungos estão tornando-se mais resistentes a esses medicamentes, dificultando o tratamento. Assim, podemos voltar a época em que pneumonia, tuberculose, gonorreia e salmonelose matavam.

7. Ebola: Na República Democrática do Congo aconteceram 2 surtos de Ebola em 2018. Além de querer melhorar a situação no pais, a OMS se preocupa, pois esse agente patogênico ameaça a saúde global.

8. Atenção primária de saúde: Esse é o primeiro contato que você tem com seus sistema de saúde. Ele atende as necessidades de saúde das pessoas ao longo da sua vida e é essencial para aumentar a cobertura mundial à saúde.

Muitas pessoas morrem de dengue (Foto: Getty Images)

9. Dengue: Todo ano ocorrem cerca de 390 milhões de infecções de dengue por ano. Apesar de ser uma doença comum em países tropicais, ela já começou a chegar em países com clima temperado, como Nepal.

10. HIV: Existem muitos avanços quando falamos do vírus da Aids, como remédios antirretrovirais e métodos de prevenção, mas cerca de 1 milhão de pessoas morrendo por HIV/AIDS a cada ano.

Leia também:

Fique de olho: Anvisa e Ministério da Saúde proíbem venda de termômetros com mercúrio

Comprovado: andar descalço faz bem para a saúde!

Ministério da Saúde faz primeiro acordo para reduzir açúcar em alimentos industrializados