Gravidez

Benefícios do leite materno começam antes da amamentação; entenda

Novo estudo mostra que componentes presentes do leite materno foram encontrados já no líquido amniótico

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

Leite materno é importante para a saúde do bebê (Foto: iStock)

Leite materno é importante para a saúde do bebê (Foto: iStock)

A exposição a esse componente no período pós-natal tem benefícios imediatos e de longo prazo para a saúde e desenvolvimento dos bebês. Estudos anteriores mostraram que os HMOs estão presentes na urina e no sangue materno durante a gravidez já no primeiro trimestre, mas os pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade da Califórnia em San Diego relatam, pela primeira vez, que eles também estão presentes no líquido amniótico. O estudo foi publicado na edição de outubro da Frontiers in Pediatrics-Neonatology.

“Até agora, a pesquisa em torno dos oligossacarídeos do leite humano se concentrou no bebê amamentado, mas nossa mais recente descoberta sugere que os benefícios dos HMOs podem começar muito antes, além de poderem afetar o crescimento do feto”, disse Lars Bode, PhD e professor associado de pediatria da Escola de Medicina UC San Diego e diretor da Fundação Larsson-Rosenquist, Centro de Excelência em Pesquisa Mãe-Leite-Infantil. O estudo envolveu 48 mulheres grávidas e coletou urina e líquido amniótico no parto, bem como o leite, quatro dias após o parto.

Estudos indicam que a proteína do leite está líquido amniótico (Foto: iStock)

Estudos indicam que a proteína do leite está líquido amniótico (Foto: iStock)

HMOs são probióticos naturais que contribuem para a formação do microbioma intestinal infantil, que pode afetar o risco de pegar doenças como diarréia infecciosa ou enterocolite necrosante, uma condição que afeta o intestino de bebês prematuros, e potencialmente também doenças não transmissíveis como asma, alergias e obesidade mais tarde na vida. “A descoberta que os HMOs aparecem no líquido amniótico abrem um campo inteiramente novo de pesquisa e expande o foco do HMO ao longo do desenvolvimento e após o nascimento“, disse Bode. Semelhante aos efeitos relatados para a fase pós-natal, o componente do leite presente no liquido amniótico pode prevenir infecções e regular respostas imunes que, de outra forma, aumentariam o risco de parto prematuro.

“HMOs também podem estar potencialmente envolvidos no desenvolvimento pré-natal de pulmão ou cérebro, disse Bode. “Ainda não sabemos o quão cedo durante na gravidez as HMOs aparecem no líquido amniótico, mas imagine se pudéssemos rastreá-los como um marcador para o risco de parto prematuro.”