Engravidar

Infertilidade secundária: conheça o problema que afeta muitos casais

Sim, você pode ter problemas para engravidar mesmo já tendo o primeiro filho

Nathália Martins

Nathália Martins ,Filha de Sueli e Josias

(Foto: iStock)

(Foto: iStock)

Se você quer ter outro bebê, mas está difícil engravidar na segunda vez, aqui estão os fatos que precisa saber para lidar com esse problema que, acredite, é surpreendentemente comum.

O primeiro filho de Margaret Renkl foi um daqueles bebês que a família brincava ter sido por ‘acidente’. Menos de 2 anos após o casal ter tido o primeiro filho, eles decidiram ter o segundo. Na época, não parecia arrogante pensar nisso como uma decisão e não apenas como uma esperança. Afinal, se ela pôde engravidar sem querer, quão difícil seria engravidar de propósito?

Eles namoraram por uma tarde durante a soneca do bebê e, algumas semanas depois, uma pequena linha vermelha apareceria magicamente em um teste de gravidez. Era isso que eles pensavam. Mas 2 anos e dois abortos depois, eles aprenderam uma triste lição de biologia humana: a fertilidade nem sempre está sob nosso controle.

Como muitos casais que facilmente engravidaram do primeiro filho, enfrentamos um diagnóstico chocante: infertilidade secundária. Medicamente, o termo refere-se a pais que, após 12 meses de relações sexuais desprotegidas, falharam em conceber outro filho, mas a maioria dos especialistas também inclui abortos recorrentes na definição. E, em termos humanos, o resultado é o mesmo: um espaço em branco em uma família onde uma criança é desejada.

De fato, um dos segredos mais bem guardados da indústria da fertilidade é que quase um quarto dos casais que procuram tratamento já são pais. Alguns desses pacientes tiveram problemas para conceber na primeira vez, então sabem o que estão enfrentando quando tentam novamente. Mas muitos outros, como Margaret e o marido, ficam surpresos ao saber que, “na fertilidade, o sucesso do passado não é garantia de sucesso futuro”, como Michael DiMattina, diretor da Dominion Fertility and Endocrinology, em Arlington, Virgínia, aponta.

No entanto, de acordo com o Dr. DiMattina, as pessoas que sofrem de infertilidade secundária têm apenas metade da probabilidade de procurar tratamento do que aquelas que enfrentam a primária. Em parte, essa relutância vem da negação emocional. “As pessoas antes férteis tendem a pensar: se eu simplesmente largar o café ou reduzir meu estresse, isso acontecerá”. Embora tais medidas, sem dúvida, melhorem a saúde geral, elas não curam a infertilidade.

Para complicar as coisas, os ginecologistas muitas vezes assumem que não há razão médica quando os pacientes que já demonstraram sua fertilidade demoram um tempo incomum para engravidar. Infelizmente, essa abordagem de esperar para ver pode permitir que um problema não tratado se torne um problema intratável.

O que causa a infertilidade secundária?

O declínio pode ser atribuído à idade. Os anos mais férteis de uma mulher são entre os 15 aos 30 anos. Aos 36, quase 25% das mulheres já podem ser inférteis. Acredita-se que os óvulos de uma mulher sofrem danos cromossômicos à medida que envelhecem; quanto mais velhos os ovos, mais danificados eles são, e menos provável que eles se tornem fertilizados.

Mas também podem ocorrer alterações hormonais ou outros problemas endócrinos, alterando o equilíbrio delicado do corpo. E a endometriose, uma doença na qual o revestimento uterino se liga a outros órgãos pélvicos, piora com o tempo se não for tratada, criando bloqueios tubários que impedem a concepção ou causam gravidezes ectópicas, quando o óvulo fertilizado se implanta em outro lugar que não o útero – geralmente na tuba uterina, que pode se romper e precisar ser removido cirurgicamente.

As causas do fator masculino – baixa contagem de espermatozoides ou baixa mobilidade espermática – são responsáveis por cerca de 40% dos casos de infertilidade. Ocasionalmente, a mudança na fertilidade de um homem pode ser atribuída a uma doença crônica, como hipertensão ou diabetes, explica Esther Eisenberg, diretor do Centro de Endocrinologia e Infertilidade Reprodutiva do Vanderbilt University Medical Center, em Nashville.

Cicatrizes ocultas são outra causa possível. Infecções não tratadas podem deixar um tecido anormal no útero. Essas aderências podem impedir que um óvulo fertilizado se implante adequadamente ou criar cicatrizes nas trompas de falópio, o que impede que um óvulo alcance o útero.

Uma nova mãe pode desenvolver uma infecção sem perceber, diz Eisenberg. Uma mulher que nunca teve um bebê antes pode ser completamente inconsciente de quanto dor pós-parto ou sangramento é normal, e muitas mulheres têm sintomas de infecção que nunca relatam. Sua fertilidade diminuída não será descoberta até que tentem engravidar novamente.

Mas o diagnóstico mais comum, de longe – em até 20% de todos os casos – é simplesmente “inexplicável”. Em outras palavras, diz o psicoterapeuta clínico Harriet Fishman Simons, autor de Wanting Another Child: enfrentando a infertilidade secundária, “não há nenhum diagnóstico. Não está claro se algum fator existiu e o casal teve sorte ou se o fator se tornou exacerbado com o tempo”. Por ser tão vago, o veredito “sem causa conhecida” pode ser particularmente difícil de aceitar.

Quanto tempo você deve esperar?

A quantidade de tempo que você deve permitir antes de consultar um especialista em fertilidade muda de acordo com a idade. Se você tiver menos de 30 anos, dê 12 meses; se você tem mais de 30 anos, você deve tentar por 6 meses.

A boa notícia: a infertilidade secundária tem maior probabilidade de ser tratável do que a primária. Se você agir prontamente, consultar um especialista e seguir fielmente o plano de tratamento prescrito, terá todos os motivos para se sentir confiante de que, eventualmente, terá outro bebê.

A montanha russa da infertilidade

Por mais difícil que seja acreditar, estudos mostram que os efeitos emocionais da infertilidade secundária são idênticos aos da primária. Segundo a conselheira dos pais Alice Domar, diretora do Centro de Saúde da Mulher no Instituto Médico Mente/Corpo da Harvard Medical School, “mulheres tratando a secundária são tão deprimidas e ansiosas quanto as mulheres que não ainda não têm filhos”. Além disso, os pacientes com infertilidade secundária devem lidar com questões emocionais não enfrentadas por pacientes sem filhos. Aqui estão alguns deles.

Isolamento emocional

“Pacientes de infertilidade secundária estão em uma espécie de terra de ninguém”, destaca o Dr. Domar. Como pais, eles são evitados pelo mundo da infertilidade, que é capaz de vê-los como ingratos porque eles já têm um filho. No entanto, eles se sentem alienados do mundo fértil porque não podem conceber. E embora os casais sem filhos possam mergulhar em preocupações de adultos, concentrando-se em viagens ou carreira, os pais de crianças pequenas encontram mulheres grávidas e bebês recém-nascidos em todos os lugares que vão.

Ciúme e ressentimento

As pessoas normalmente racionais muitas vezes acham difícil pensar claramente sobre a infertilidade; a dor e a frustração simplesmente sobrecarregam a lógica. “Parece uma faca no meu coração quando alguém me diz que engravidou por acidente”, conta Carolyn Hutton, 29 anos, de Campbell River, na Colúmbia Britânica, que está enfrentando a infertilidade depois de dar à luz um filho.

Culpa

“Muitos pacientes se sentem culpados porque recebem a mensagem de que devem ser gratos pela criança que têm”, diz o Dr. Simons. O ponto é que eles são gratos, mas isso não tira a vontade de ter outra criança. “Esse desejo é tão urgente, tão desesperado e exaustivo como da primeira vez”, diz Anne Clements, uma mãe de East Rutherford, Nova Jersey, que facilmente engravidou de sua filha de 3 anos, mas abortou nas outras 2 gravidezes seguintes.

Raiva

Alguns pacientes não sentem nada além de raiva quando os outros falham completamente para entender o que sentem.

Pressões do bebê

Às vezes, o próprio filho inocentemente aumenta o sofrimento. “Uma das experiências mais dolorosas para pacientes com infertilidade secundária é quando o filho começa a pedir irmãos”, explica Simons.

Discordância matrimonial 

Como a infertilidade primária, a variedade secundária pode prejudicar gravemente um relacionamento. Mas de acordo com o Dr. Simons, os casais que sofrem da secundária são mais propensos a estar fora de sincronia do que os casais sem filhos. Tara Jenkins, cuja infertilidade deriva de ambos os problemas ovulatórios de sua parte e baixa contagem de espermatozoides em seu marido, diz: “É uma coisa boa que ele é tão tolerante, porque os tratamentos me transformam em um monstro”.

Muitas vezes, também, as mães querem seguir o tratamento, enquanto os pais argumentam por se contentar com a família que têm. “Esses tratamentos podem ser muito perturbadores e muitos homens querem que sua família feliz volte ao normal mais do que eles querem outro filho”, finaliza o Dr. Simons.

Leia também:

10 dúvidas mais frequentes sobre a infertilidade no homem

Calma, vai dar certo! Esclarecemos 6 mitos sobre a infertilidade

Estudo aponta que estresse pode causar infertilidade