Engravidar

Mãe desabafa sobre a jornada da infertilidade até ter gêmeos: “Sempre tive problemas com o meu ciclo menstrual”

Kristin Adamson descobriu a insuficiência ovariana com 19 anos

Giovanna de Boer

Giovanna de Boer ,filha de Karen e Christiano

Kris descobriu a infertilidade aos 19 anos (Foto: Getty Images)

Kristin Adamson é canadense e luta com a infertilidade desde os 19 anos, quando foi diagnosticada com insuficiência ovariana. Obstinada a ter um bebê, ela embarcou em uma jornada ruma à maternidade, dando à luz a gêmeos, com a ajuda dos óvulos da irmã. A trajetória de Kris resultou em bebês lindos, mas não só isso. A mãe criou o Pinepl, um aplicativo que possibilita mulheres inférteis a se conectarem com outras que passam pelo mesmo problema.

O sonho

Kris sempre se imaginou sendo mãe, mas quando adolescente ela descobriu a infertilidade e os planos da maternidade pareciam distantes. “Eu sempre tive problemas com o meu ciclo menstrual e provavelmente foi quando eu tinha 16 anos que eu percebi que as coisas não estavam funcionando como deveriam estar”, diz ela.

As idas aos médicos eram quase animadora, pílulas e remédios para ver se o corpo reagiria positivamente em direção do sonho de Kristin. Os medicamentos foram uma medida temporária, então, aos 19 anos, ela parou de tomar para sentir o corpo e ver como estava reagindo. Depois de fazer algumas pesquisas, Kris percebeu que sentia os mesmos sintomas das mulheres que apresentavam insuficiência ovariana. O médico achou improvável devido a idade, mas decidiu fazer os exames.

Depois de alguns dias, os exames apontaram o que ela suspeitava. “Eu sabia que no minuto em que recebi a ligação, seria uma má notícia”, diz ela. “O próprio médico ficou chocado, ela nunca ouviu falar de alguém tão jovem para ser diagnosticado com isso na época”, disse ao Babyology.

A primeira dúvida de Kristin para o médico foi: “Posso ter filhos?” Quando o médico disse que ela tinha uma chance de 0 a 5% de conceber naturalmente, isso abalou o mundo de Kris. “No momento em que pisei fora do consultório do médico, literalmente eu desmaiei, apenas derretei no chão”, diz Kristin. “Foi uma notícia bastante devastadora para receber. É devastador em qualquer idade, mas aos 19 anos eu nem sabia o que fazer com a informação. ”

Com certeza a notícia fez com que o olhar de Kris para o mundo mudasse. “Eu comecei a escolher melhor os meus relacionamentos”, diz ela. “Isso definitivamente faz você olhar as coisas de uma perspectiva muito diferente. Eu não era mais apenas uma garota de 19 anos só querendo namorar, mas sim, uma garota de 19 anos pensando: ‘Com quem vou ter uma família?'” Foi até que ela encontrou o marido e eles sabiam que iam enfrentar juntos o desafio.

A rede de apoio

Quando Kirstin foi diagnosticada com insuficiência ovariana, ela passou a noite na casa dos pais, onde a irmã estava morando na época. “Minha irmã entrou na sala sentou-se ao meu lado e disse: ‘Eu não entendo o que você está passando e eu só posso imaginar o quão horrível isso é, mas eu quero que você saiba que se você quiser usar meus óvulos, eles são seus  ”diz Kristin.

Essa proposta durou até 11 anos mais tarde, quando Kris e o marido, agora moradores do Reino Unidos, decidiram tentar ter um bebê. A irmã mora no Canadá, mas isso não foi um problema. As irmãs se encontraram em uma clínica em Londres, preparadas para o que vier.

 Nós estávamos nos casando e ela estava vindo para isso de qualquer maneira”, diz Kristin. “Nós trabalhamos muito rapidamente com a clínica para ver se poderíamos contar com um monte de pré-consultas na semana do casamento.”

E depois?

Kris engravidou na primeira sessão de fertilidade, mas perdeu o feto quando estava de 9 semanas. Isso foi bastante difícil, considerando tudo o que passamos”, contou ela ao Babyology. No entanto, o casal estava determinado a engravidar e decidiram dar mais uma chance. Dessa vez, funcionou e o casal engravidou de gêmeos.

Enquanto a recém-grávida e o marido ficaram emocionados ao ouvir as notícias, a jornada estava longe de terminar. “Foi muito emocionante por cerca de 24 horas e depois me ocorreu que eu poderia perdê-los”, relatou. A gravidez foi difícil, e se agravou depois que o médico informou que ela estava sofrendo de depressão na gravidez, mas tudo certo.

A mudança

Kris e a amiga Karla criaram o aplicativo (Foto: reprodução Babyology)

Felizmente tudo ocorreu bem e agora Kris e o marido são pais orgulhosos de gêmeos de 16 meses de idade. Durante a trajetória em busca da maternidade, ela tentou se conectar com grupos on-line, mas achou todas as plataformas disponíveis insatisfatórias, com pouca privacidade ou controle. Com esse descontentamento Kristin e a amiga Karla agora parceiras de negócios, criaram um aplicativo chamado Pineapl. Adequadamente batizado com o nome da fruta há muito tempo associada à concepção , o aplicativo oferece aquelas que passam por infertilidade  uma plataforma online especificamente adaptada às necessidades, com recursos especiais que permitem aos usuários criar redes de suporte personalizadas e proteger-se contra publicações perturbadoras.

Com um marido maravilhoso e dois filhos lindos, a história de Kristin tem um final feliz. Mas mais ainda agora com o desenvolvimento do Pineapl, uma ferramenta para apoiar outros que passam por lutas semelhantes.

Leia também:

Por que a infertilidade está aumentando?

10 dúvidas mais frequentes sobre a infertilidade no homem

Endometrite crônica: causa importante de infertilidade e aborto de repetição