Família

Família negra sofre preconceito após adotar criança: “Me perguntam se sou a babá dele”

"Eu não vejo a família como sangue. Eu vejo a família como amor”, desabafou a mãe

Letícia Vaneli

Letícia Vaneli ,filha de Alcides e Eugênia

(Foto: Reprodução/Today)

A terapeuta Keia Jones-Baldwin e esposo, Richardo Baldwin, estavam analisando a possibilidade de adotarem crianças com idades próximas dos filhos adolescentes, mas viram as suas vidas mudarem quando conheceram Princeton dois anos atrás.

Princeton nasceu prematuro em julho de 2017 e o hospital ligou imediatamente para Keia com o objetivo do neném ter o primeiro contato após nascimento.”Meu supervisor de assistência social telefonou e disse: ‘Existe alguma maneira de você ir ao hospital e trazer conforto para o bebê?'”, disse Keia em entrevista para o portal Today.

Ele contou que a conexão que teve com a criança foi imediata e as visitas se tornaram diárias. Assim que Princeton recebeu alta do hospital, ele se mudou para a casa da família. De inicio, Princeton ficaria sob os cuidados de Keia e Richardo por apenas 3 meses, mas a família se apaixonou pelo garoto e decidiram adotá-lo. E o bebê ganhou de uma única vez 3 irmãos: Zariyah, Karleigh e Ayden.

Apesar de felizes, os passeios em família acabam gerando desconforto em outras pessoas. Isso porque, a família negra adotou um bebê loiro dos olhos claros!  “As pessoas me perguntam, frequentemente, se eu sou a babá dele”, relatou a mãe.

Ela também relatou que já foi questionada do porquê não ter deixado uma família branca adotar o seu filho. Aliás, em duas ocasiões diferentes as pessoas ligaram à policia relatando que Keia teria sequestrado Princeton.

“Eu não vejo a família como sangue. Eu vejo a família como amor”, ela disse. “Quando Princeton entrou em nossas vidas, ele entrou em nossos corações. Amor conquista tudo.”
A página do facebook “Raising Culture” foi uma forma que eles encontraram para expandir as perspectivas das pessoas, eles compartilham vídeos e fotos da família. Vale a pena dar uma conferida!

Leia também:

O racismo acontece todos os dias

7 lições que os pais podem ensinar aos filhos sobre o preconceito

Crianças não nascem preconceituosas, a culpa é do ambiente onde elas vivem