7 coisas que você não sabia que poderia acontecer durante o trabalho de parto

Algumas situações são conhecidas, outras nem tanto, por isso é bom se precaver

Muitos já têm uma noção sobre o que acontece durante o parto, como contrações, dor e, muitas vezes, uma epidural. No entanto, também existem alguns outros pontos que podem pegá-la desprevenida. Alguns são comuns e inofensivos, enquanto outros às vezes precisam de cuidados mais urgentes. Por isso, fizemos esta lista com sete coisas que podem acontecer e como você pode lidar:

1.) Evacuações involuntárias

-Publicidade-

Você sabia que os mesmos músculos utilizados durante o parto são os mesmo do intestino? Pois é, isso quer dizer, então, que incidentes podem acontecer no parto – e isso é totalmente aceitável. “É comum as mulheres evacuarem durante o trabalho de parto e isso realmente significa que os músculos adequados estão sendo usados ​​para empurrar o bebê”, diz Nita Landry, ginecologista e co-apresentadora do The Médicos.

Uma epidural, que entorpece a metade inferior do corpo, pode aumentar a probabilidade de movimentos intestinais incontroláveis, explica ela. Se você sentir vontade, vá em frente e faça cocô (não seja tímida!). “Há pesquisas emergentes que sugerem que cocô durante o trabalho de parto pode ajudar a expor seu bebê a boas bactérias intestinais, que podem trazer benefícios à saúde a longo prazo”, acrescenta Dr. Landry.

-Publicidade-

2.) Náusea e vomito

Náuseas e vômitos não se devem apenas a enjôos matinais; elas também podem ocorrer durante o trabalho de parto, especialmente, quando você está fazendo força para dar à luz ao seu filho. “Quando as mulheres sofrem uma epidural, elas podem ter uma queda na pressão sanguínea que pode causar vômitos”, diz Sherry Ross, especialista em ginecologia e obstetrícia no Centro de Saúde Providence Saint John em Santa Monica, Califórnia.

Aliás, dúvidas como comer durante o trabalho de parto surgem nesses momentos também. E as gestantes devem tomar cuidado, pois a comida no estômago pode aumentar o risco da comida nas vias aéreas (aspiração) durante uma cesárea emergencial, acrescenta ela.

3.)Trabalho prolongado

O trabalho de parto pode ser dividido em três fases: latente, ativa e transição. Às vezes essas fases não acontecem tão rapidamente quanto deveriam. Por exemplo, a fase latente prolongada pode durar por mais de 20 horas se você foi eae de primeira viagem, e mais de 14 se você já deu à luz antes. “O trabalho de parto latente prolongado pode ser cansativo e, às vezes, frustrante para as futuras mamães, mas raramente leva a complicações e não deve ser uma indicação para cesariana“, diz ela.Se você demorar para alcançar a dilatação, tente ser paciente e relaxar. Durma, faça uma caminhada ou desfrute de um banho quente.”Quando o colo do útero estiver com seis centímetros de dilatação, se considere oficialmente em trabalho de parto ativo. Vale lembrar que uma vez que está em trabalho de parto ativo, pode ser problemático se o colo do útero não se dilatar tão rapidamente quanto o esperado. Neste caso, uma cesariana pode ser recomendado para evitar complicações “, acrescenta o Dr. Landry.

4.) Trabalho rápido

Você também pode dar à luz cedo demais. O trabalho precipitado ocorre quando o bebê nasce menos de três horas após o início das contrações. “A maioria das mães de primeira viagem pode ver o trabalho rápido como positivo, mas existem várias preocupações”, diz o Dr Landry. A principal preocupação é a falta de tempo para chegar ao hospital para receber remédios para dor, além de dar à luz em um ambiente adequado e acompanhado de uma equipe médica.”Outra dificuldade importante do trabalho de parto rápido é a falta de preparação adequada para o nascimento, a que permite à mãe se sentir no controle e encontrar estratégias de enfrentamento adequadas para se preparar para uma mudança tão importante na vida de alguém”, diz ela. Outros problemas potenciais incluem aumento do risco de rompimento do colo do útero e da vagina, hemorragia do útero ou vagina e risco de infecção do bebê por parto não esterilizado.

5.) Rompimento vaginal

É bastante comum que o períneo, a área entre a vagina e o ânus, rasgue durante o trabalho de parto se a abertura vaginal não for suficientemente larga.”Aproximadamente 90% das mulheres experimentam algum grau de rompimento vaginal durante o parto. Os de primeiro ou segundo grau podem causar apenas um pequeno desconforto por algumas semanas, mas os de terceiro e quarto graus podem levar mais de algumas semanas para curar, “diz o Dr. Landry.

“Em alguns casos, seu médico pode precisar realizar uma episiotomia, que é uma incisão cirúrgica para aumentar a abertura vaginal”, disse ela. Eles não são super comuns, mas podem ser feitos se o ombro do bebê estiver preso atrás do osso pélvico (distocia do ombro), se estiver em perigo ou se a mãe precisar de um parto assistido com pinça ou vácuo. Os pontos ajudarão a reparar um períneo rasgado.

6.)Rompimento do ânus

Você também pode rasgar seu reto, que é considerado um tipo de rasgo de quarto grau, ao empurrar o bebê para fora. “Há momentos em que não há nada que você possa fazer para evitar uma situação como esta. Felizmente, é o tipo de ruptura menos comum durante um parto vaginal“, diz o Dr. Ross.Uma maneira de reduzir esta complicação é aplicando compressa quente no períneo durante a fase de trabalho de parto. Você também pode tentar massagear a área. “A massagem perineal é comumente feita para ajudar a evitar lacerações durante o parto vaginal. Pensa-se que a massagem frequente na base da vagina com óleo ou lubrificante à base de água amolece o tecido, tornando-o mais flexível e melhorando sua flexibilidade”, diz o Dr. Ross .

7.)Retenção de placenta

Você pode estar como seu bebê nos braços após o trabalho de parto, mas não pense que o processo acabou no momento em que ele veio ao mundo. “É normal que as contrações continuem após o parto, pois seu corpo precisa expelir a placenta do útero. As contrações também são necessárias para diminuir a quantidade de sangramento pós-parto“, diz o Dr. Landry. “O parto da placenta geralmente ocorre naturalmente nos primeiros 30 minutos após o parto, à medida que a placenta se separa da parede uterina e é empurrada com contrações. Se isso não acontecer automaticamente, o fenômeno é chamado de placenta retida”.

Algumas causas de uma placenta retida incluem contrações fracas, colo do útero fechado antes da hora ou, então, a placenta ficou presa às paredes musculares do útero. Os medicamentos ajudarão a relaxar o útero e o médico poderá recomendar a amamentação, o que pode fazer com que o útero se contraia o suficiente para expulsar a placenta. Os sintomas da placenta retida incluem febre, corrimento com odor mais forte, sangramento intenso, e dores constantes também podem aparecer. Como último recurso, a cirurgia pode ser necessária para livrar seu corpo da placenta. A condição pode ser fatal se não for tratada adequadamente.

Fique por dentro das novidades no canal Pais&Filhos:

Leia também:

Estou grávida, e agora? Conheça os primeiros passos e exames 

Como fazer teste de gravidez caseiro (e rápido!)

Veja como acabar com o enjoo durante a gestação

-Publicidade-