Paternidade ativa: pais contam as melhores lembranças que têm ao lado dos filhos

Quando você fecha os olhos e pensa no seu pai, qual o momento que vem à mente? Pode ser o primeiro jogo de futebol, os filmes que viam, os passeios, ou talvez o momento mais BIG possível

Resumo da Notícia

  • Pais contam qual foi o momento mais marcante na paternidade
  • Eles também relembram o passado com os pais
  • Veja os relatos

Quando você fecha os olhos e pensa no seu pai, qual o momento que vem à mente? Pode ser o primeiro jogo de futebol que assistiram ou quando ele te levou para aprender a andar de bicicleta (e sem rodinhas). Ou as noites de sexta-feira que vocês escolhiam um filme para assistir. E o dia que ele te aplaudiu de pé na formatura do Ensino Fundamental. Mas também é possível que o momento mais BIG da sua vida seja como um pai.

-Publicidade-
São vários momentos que valem o registro (Foto: Getty Images)

Talvez a sua figura paterna tenha se ausentado, mas você fez questão de ser diferente com seu filho. Não importa qual história veio à sua mente quando fazemos a pergunta: o relacionamento entre pais e filhos é construído com base nas lembranças. No último Dia dos Pais, em parceria com o Hipermercado BIG, recebemos muitas (e lindas) histórias sobre esses momentos que a paternidade traz. Cada uma é prova do quanto as memórias familiares impactam no desenvolvimento de cada um. O BIG momento com seu pai, ou a falta dele, reflete na sua forma de paternar e assim, será com seu filho.

Paternidade que desenvolve

“O meu melhor amigo é você papai”. Essa foi a melhor frase que o Nicácio Belfort, do @amordepapaireal, pai de Benjamin e Lucas, ouviu do filho mais velho. Ele sempre sonhou em ser pai e quando o Ben nasceu, a vida da família mu- dou completamente. “Porém a maior satisfação, depois do nascimento, foi saber que o quanto o Ben me considera e me ama”.

-Publicidade-

Adriano Bisker, do @paidecinco, pai de Felipe, André, Julia, Sofia e Nicole, também sonhava em construir uma família. Só que tinha claro seu desejo: muitos filhos. “Tenho dois meninos maravilhosos e no segundo casamento queria muito uma menina. Minhas preces foram atendidas com um momento BIG: vieram trigêmeas para completar nossa equipe”.

Diferente de Adriano, o Thiago Couto, do @papaiurbano, pai de Noah, está na fase de “pai de primeira viagem”. E uma coisa que todos os pais que enviaram suas histórias concordam é que o momento do nascimento do filho muda tudo, e para melhor. “Um dos momentos mais marcantes na minha paternidade aconteceu minutos antes do nascimento. Comecei a pensar o quanto minha vida mudaria. Ela mudou muito, (rs)! Mas não troco essa experiência de hoje por nada”.

E quem trocaria? É nela que você tem a chance de ser quem aprendeu com seu pai ou ser diferente dele, para exercer uma paternidade melhor. Também é sendo pai que você descobre como é bom colecionar pequenas conquistas do filho, primeiras palavras, primeiros passos. Assim como o Jefferson da Silva, do @papaidemenina, pai de Aurora e Helena. “O momento mais marcante é quando os filhos aprendem a falar PAI. Essa lembrança é BIG para mim”.

Humberto Baltar, do @paispretos, pai de Apolo, também foi marcado pela oportunidade de ver o desenvolvimento do filho de perto. “A experiência que marcou a minha vida e só foi possível pela pandemia, porque eu não teria como viver isso de outra forma, foi ver o Apolo aprender a andar. Ainda pequeno ele me mostrou como é necessário que eu deixe nítido o quanto pode contar comigo”. Muitos pais concordam com Humberto, a quarentena também trouxe momentos positivos para a família.

Para o Renato Oliveira, do @contatoria, pai de Camila e Marília, o isolamento social provou que ele e as filhas não se cansam uns dos outros. “Alguns até me olham com estranheza quando digo que estou gostando da quarentena. Claro que eu não gostaria de ver pessoas adoecendo ou morrendo em decorrência de um vírus. Mas um dos efeitos foi a presença em casa, e na minha, as brincadeiras não digitais só aumentaram”. Mais tempo em casa também é uma oportunidade de se apegar a pequenos hábitos das crianças que não duram para sempre.

“É difícil elencar um único momento BIG com tudo que a gente faz, mas tem um hábito do João desde bebê que é deitar no meu peito para dormir. Às vezes, eu perco a hora de manhã para levantar, porque fico com ele no peito pra curtir ao máximo esse presente”, comenta Fábio Almeida, pai de João. Siga o exemplo do Fábio e aproveite cada mania, que você ama, do seu filho enquanto ele ainda é pequeno. A infância passa muito rápido. E para alguns pais, também é a oportunidade de praticar com o filho as atividades que amava quando era da idade dele.

“Uma coisa recente que me marcou demais foi termos começado a fazer capoeira juntos, antes da pandemia ter início. Para mim foi mágico, porque eu já havia praticado um pouco na infância”, elenca Rafael Noris, do @rafanoris, pai de Miguel.

Ser pai vai muito além de um cargo (Foto: Getty Images)

Paternidade que cura

Se tornar pai também é uma oportunidade de sanar feridas do passado. “Sempre sonhei em ser pai, apesar de ter conhecido o meu somente aos 10 anos. Fui adotado por meus avós que, em segredo, protegiam minha mãe biológica dos ataques que uma mãe solteira poderia sofrer no interior do sertão”, explica Marcos Romeu, do @papainocontrole, pai de Tarsila e Ravi. Segundo o blogueiro, pensar em ter filhos era algo que o assustava. “Mas minha paternidade sarou um vazio que eu não sabia que tinha! Hoje eu vivo todas as aventuras da minha infância junto com eles”.

Michel Menezes, do @paimoderno, pai de Benjamin e Liz, também pôde experimentar com os filhos momentos que não teve com o pai. “São os pequenos detalhes que contam. Não importa como foi meu dia, eles vão estar sempre em casa me esperando com um abraço e palavras de amor”. Ser pai traz uma chance de se abrir e perder o medo de não ser aceito.

Beto Bigatti, do @pai_mala, pai de Gianluca e Stefano, tinha receio de não ser aceito pelos filhos por conta de sua deficiência física. “Mas foram justamente eles que me mostraram que a perfeição está longe de ser um corpo perfeito. Para eles, não sou um pai com uma de ciência: sou o pai deles e basta”.

Paternidade que é festa

Não existe nada melhor do que saber que ao lembrar de você, seu filho automaticamente pensa em alegria e festa. Este é o caso da Thelma Parada, do @dentistadecrianca, mãe da Guilhermina e filha de Simão. O pai dela faleceu
perto de seu aniversário de 5 anos. Mas ela não esquece do quanto ele amava o Carnaval. “Meu pai se foi numa quarta-feira de Cinzas. No dia anterior, terça-feira de Carnaval, eu estava com ele assistindo a um desfile de rua. Então, essa festa foi nosso último momento. Até hoje tenho paixão pela folia por causa do meu pai”, comenta.

Rubens, pai de Renata Chiarello, do @mamaenow, mãe de Betina, também tinha o mesmo espírito festivo. “Meu casamento foi um dos momentos mais marcantes que tivemos juntos. Mesmo com pouca grana, ele fez muito e tive uma festa incrível. Das heranças que meu pai me deixou, com certeza, celebrar a vida todos os dias é a mais valiosa. Nada é mais valioso do que viver”, relembra.

Talvez sua grande memória com seu pai seja das viagens relâmpago que vocês faziam juntos só para se divertir. “Me lembro até hoje o dia que meu pai chegou do trabalho às 22h e perguntou se eu e minha irmã, Samyra, queríamos ir à praia. Não lembro ao certo nossa idade, mas acredito que eu tinha uns 6 anos. Viajamos e nos divertimos muito! Aprendi com meu pai que a felicidade está nas experiências mais simples da vida”, conta Samantha Valdívia, do @meumundoinfantil, mãe de Julia e Caio, filha de Alcides.

Outra felicidade é poder comemorar juntos quando o time do coração está em jogo. Para Alisson Mastrorosa, pai da @valentinafmastrorosa, levar a filha pela primeira vez para conhecer o estádio do Palmeiras foi o BIG momento deles juntos. “Foi marcante, porque ali, no antigo Palestra Itália, eu conheci e me apaixonei pela minha esposa”.

Esse laço construído no dia a dia traz benefícios para a vida toda (Foto: Shutterstock)

Paternidade que transforma

Não dá para escapar da mudança que o título de pai traz, porém, mais importante do que isso, é decidir o que fará daquele momento em diante. O pai da Amanda Ribeiro, do @mamaequeviaja, seu Geraldo, decidiu apoiar a filha em um momento muito delicado. “Nunca me esqueço de quando recebi o diagnóstico de autismo do meu filho, Arthur. Meu pai me acalmou, me abraçou e disse para eu viver o presente. Me incentivou a viver um dia de cada vez e comemorar as pequenas vitórias”.

Falando em transformar, o momento BIG do Eduardo Benon, do @3abordobr, pai de Estela, Maria e Théo, veio no dia do nascimento da primeira filha. “Nunca tive dúvidas se iria ou não participar do parto dos meus filhos. Durante o parto da Estela veio a surpresa: ‘Ei, pai… Quer cortar o cordão?’. Fui firme dizendo que sim, mas a mão trêmula e
suada denunciava o nervosismo e o medo”, relembra. E se transformar em um pai melhor a cada dia, pela referência que você teve na infância é um privilégio.

“Quanto há de nossos pais em nós? No meu caso, muito. Hoje, eu tenho a chance de ser para meus lhos muito do que meu pai foi pra mim. Quero ver nos olhos deles o mesmo olhar que tenho para meu pai!”, comenta Leandro Nigre, do @papaieduca, pai de João Guilherme e João Rafael.

-Publicidade-