Saúde

Lei que proíbe as crianças de irem a escola se não estiverem vacinadas começa a ser aplicada na Itália

O projeto foi elaborado em 2017

Rhaisa Trombini

Rhaisa Trombini ,Edileyne e Geraldo

(Foto: Getty Images)

Lei italiana que proíbe as crianças de irem a escola se elas não estiverem vacinas começou a ser aplicada. A medida drástica surgiu durante um surto de sarampo no país, explicou a BBC News.

A norma foi batizada de lei Lorenzin em julho de 2017, em homenagem ao ex-ministro da Saúde que introduziu a lei. As crianças devem ser imunizadas para várias doenças e as vacinas incluem varicela, poliomielite, sarampo, caxumba e rubéola.

Crianças de 0 à 6 anos não poderão frequentar berçários e jardins de infância sem a comprovação da vacinação. Já aquelas entre 6 e 16 anos serão proibidos de frequentar a escola e os pais serão obrigados a pagar uma multa que pode chegar a R$2.155,00 se as crianças não forem completamente imunizadas.

O limite para os pais entregarem o certificado das crianças foi 10 de março e o governo já notou um aumento na taxa de vacinação. Agora, ela está em 95%, a meta da Organização Mundial da Saúde. Essa número indica um estágio de imunização quando a doença não consegue mais se disseminar

Leia também:

Novo estudo derruba mito sobre relação de vacinas com autismo em crianças

Pediatra e esposa do CEO do Facebook fala sobre mães anti-vacinas: “Falta de vacinação mata”

Meningite: saiba porque você não consegue achar a vacina