;
Gravidez

Bebê morre durante parto sem assistência médica e a prática começa a receber críticas

A mãe relatou sua terrível experiência em grupo do Facebook chamado Free Birth

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

(Foto: Reprodução)

O parto de Lisa durou 6 dias (Foto: Reprodução)

free birth (nascimento livre, em tradução literal) está sendo duramente criticado após uma mulher confirmar que seu bebê morreu durante o parto. Lisa, como pediu para ser chamada, postou sua experiência no grupo do Facebook chamado Free Birth Society. Seu parto durou 6 dias em um deserto da Califórnia e sua filha, Journey Moon, nasceu morta.

O Instagram da Free Birth Society tem mais de 22 mil seguidores. O grupo do Facebook foi excluído, porém seu site continua ativo com presença reduzida após a fundadora Emilee Saldaya, uma doula, ser assediada e ameaçada de morte. O site declarou que “Ao contrário da crença de que o nascimento livre é uma decisão irresponsável, é uma escolha legítima, baseada nas atuais evidências científicas”.

Embora a ideia de dar à luz sozinha e sem assistência de profissionais seja amedrontadora para algumas mulheres, outras dizem considerar a opção constantemente. Nos últimos anos, a tendência vem ganhando popularidade nos Estados Unidos.

Recentemente uma mãe australiana Simone Thurber decidiu dar à luz seu filho mais novo Perouze de uma maneira verdadeiramente orgânica: sem alívio da dor, sem médicos, sem hospital. Apenas ela e um riacho.

A mulher também é doula e, por isso, registrou tudo em vídeo em sua conta no Youtube. Nele, ela encontra um lugar na Floresta de Daintree, na Austrália, fica agachada por um tempo, da à luz e mantém o filho por perto. Tudo isso em menos de 25 minutos. Simone também recebeu críticas e concordou que  o parto foi bastante arriscado. Caso alguma coisa desse errada levaria horas até eles chegarem a um hospital. Assista ao vídeo:


Leia também:

A resposta desse médico ensinou uma lição para as mães que não querem vacinar os filhos.

“Eu não quero enterrar minha filha”, diz mãe de menina de 10 anos que tentou suicídio por bullying.

Pediatras americanos criam dez regras para educar crianças sem agressões.