Criança

Estudo de 45 anos revela como transformar seu filho em um gênio

A prática nem sempre leva à perfeição, segundo os especialistas

Redação Pais&Filhos

Redação Pais&Filhos

kindergarten-students-smile-when-playing-toy-in-playroom-at-preschool-picture-id836871426

Julian Stanley, um professor de psicometria, conheceu a história de Joseph Bates, um menino de 12 anos. Ele era um gênio desde pequeno e estava fazendo curso de Ciência da Computação na Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Apesar da inteligência, Joseph era muito entediado, pois estava muito à frente dos estudantes de sua idade.

Inspirado por esse prodígio, Stanley começou um estudo em 1968 que durou 45 anos, acompanhando o desenvolvimento de crianças superdotadas, como Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, e a cantora Lady Gaga. Ele iniciou o estudo batizado de Estudo de Jovens Matematicamente Precoces (SMPY, da sigla em inglês) no Centro para Jovens Talentosos da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, acompanhando mais de 5 mil crianças superdotadas.

Ao contrário do que sugere a antiga crença, a prática pode não levar à perfeição. Segundo o SMPY, a capacidade cognitiva inicial, ou seja, como seu filho consegue resolver problemas e tomar decisões corretas, pode gerar mais conquistas do que a prática. Por isso, estimular as habilidades das crianças desde cedo é importante para o desenvolvimento cognitivo.

Mas sem pressão, até com aquelas crianças que já mostram uma inteligência acima da média, pois isso pode “levar a todos os tipos de problemas sociais e emocionais“, de acordo com educadores ao site Época Negócios. O incentivo deve ser positivo, deixando seus filhos felizes.

kid-is-learning-in-class-picture-id827045046

Incentive seu filho a realizar novas atividades (iStock)

Especialistas dão algumas dicas de como incentivar seu filho e deixá-lo feliz enquanto isso.

1) Novas experiências
Apresentar seu filho ao mundo é uma ótima forma de incentivar seu raciocínio. Cada nova aventura é uma nova motivação para o seu filho, além e ajuda-lo a construir confiança. Psicólogos explicaram ao site Época Negócios que o conforto vem de se apegar ao que é familiar. É preciso coragem para tentar algo diferente.

2) Atividades diferentes
Pergunte ao seu filho se ele deseja fazer algo diferente, uma atividade, um esporte, um instrumento. Permita que ele explore suas habilidades e descubra novas, tornando-se uma pessoa mais resiliente. Não os force a “ser algo” que eles não são.

3) Escute as perguntas do seu filho
Não se irrite com as perguntas insistentes do seu filho. Curiosidade é muito importante para o aprendizado! Quanto mais respostas ele tiver, melhor seu desempenho na escola.

4) Mais esforço e menos resultado
Comemore o aprendizado, não o resultado, desenvolvendo a “mentalidade de crescimento”. As crianças aprendem através com as reações dos pais. Estar disposta a aprender algo novo é um comportamento que deve ser estimulado!

5) Fracasso não é um problema
O erro faz parte do aprendizado! Aprender com eles mostra como abordar melhor o problema da próxima vez. Os erros devem ser tratados como blocos de construção para o aprendizado.

6) Não rotule seu filho
Não fale que seu filho é um gênio! Esse rótulo pode excluí-lo do outros colegas da sua idade, além de colocar uma imensa pressão em cima dele, podendo gerar um sentimento de decepção com algum fracasso.

7) A escola deve fazer parte do desenvolvimento do seu filho
Crianças inteligentes precisam ser desafiadas, além de contarem com apoio extra e liberdade para aprender em seu próprio ritmo. A escola pode atender a essa demanda muito importante.

8) Teste as habilidades do seu filho
Testar as habilidades cognitivas do seu filho pode ser importante para estimular ainda mais o raciocínio, além de revelar problemas como dislexia, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade ou desafios sociais e emocionais.

Leia também:

Seu filho também faz um monte de perguntas? Vem entender o porquê

Brilhante: A inspiradora história de uma mãe e seu filho gênio e autista

Poder feminino até na hora de estudar: meninas são mais dedicadas que os meninos na escola